arquivo

Films

Observatório de Remoções

Entre 2015 e 2016 fiz parte da equipe do Observatório de Remoções, um projeto desenvolvido pelo LABCidade (Laboratórios do Espaço Público e Direito à Cidade), LABHAB (Laboratório de Habitação) da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo,  Universidade Federal do ABC e com apoio da Fundação Ford.

Um dos objetivos do projeto é o mapeamento, em diferentes escalas, de grupos com alto grau de vulnerabilidade socioambiental impactados por remoções urbanas involuntárias decorrentes da implantação de projetos de desenvolvimento, conflitos fundiários coletivos e incidência de riscos geológicos.

Junto à equipe do Observatório de Remoções, desenvolvi uma série de 08 mini-documentários que retratam algumas das ações do grupo.

Mais informações sobre o Observatório de Remoções:

https://www.observatorioderemocoes.fau.usp.br

https://www.facebook.com/observatorioderemocoes

 


 

Museu dos [corpos] Invisíveis

Um documentário colaborativo sobre a cidade de São Paulo pensada como um campo de embate entre visibilidade e invisibilidade. Dividido em cinco blocos temáticos, coloca foco nos corpos que a historiografia tradicional subtraiu do discurso sobre a cidade: mulheres, homossexuais, trans, negros, os moradores da periferia, os sem-teto e o poder biopolítico.

Discute: sexualidade, feminismo e políticas de gênero, segregação racial, periferia, vigilância, emergência, tribos queer e a vida nas ruas. O documentário é composto por entrevistas com artistas, ativistas e pensadores, somadas a imagens produzidas por um grupo de alunos do curso de Design da FAUUSP.

Um projeto de Giselle Beiguelman e Lucas Bambozzi
SP_Urban Digital Festival 2016

Câmera e edição:
Lucas Bambozzi e Lucas Gervilla

Produção:
Maya Messina

Exibição de Museu dos [corpos] Invisíveis na Cinemateca Brasileira.

IntranspoRníveis

IntranspoRníveis

IntranspoRníveis é uma performance sobre fronteiras humanas invisíveis com as quais nos deparamos todos os dias.Fragmentos de filmes pornográficos desde o início do século são manipulados em tempo real e projetados sobre um cenário tridimensional. As imagens são controladas por Lucas Gervilla e Paloma Oliveira enquanto os músicos Aécio de Souza, Paulo Gallian utilizam vozes, instrumentos acústicos e eletrônicos para fundir improviso sonoro com imagens, alterando os timbres e texturas esperados, a performer Thaís de Almeida Prado manipula analogicamente um projetor Super8 criando um diálogo contrastado que busca tangenciar as representações audiovisuais, metáfora das relações humanas.

O trabalho IntranspoRníveis foi exibido na 3ª Mostra Live Cinema. Uma performance coletiva criada pelos artistas Aécio de Souza, Lucas Gervilla, Paloma Oliveira, Paulo Gallian e Thaís de Almeida Prado. A performance é resultado de pesquisas que integram video-mapping, música, interpretação ao vivo e a criação de narrativas visuais baseadas nas relações em sociedade.

intra-04

intra-01

VMM – Valhalla Metal Magazine

Meu sexto curta-metragem, VMM – Valhalla Metal Magazine.

VMM – Valhalla Metal Magazine
Direção: Lucas Gervilla
Direção de Produção: Marta Schneider
Produção Executiva: Vinicius Tomasi
Sorocaba, 2016.

“A Valhalla sempre foi muito fiel aos leitores e aos fãs do Metal!” Essas são as palavras de Rafael Bittencourt, guitarrista do Angra, a respeito da revista Valhalla, uma das principais publicações impressas especializadas em rock e heavy metal editadas no Brasil de 1996 a 2007.

Intitulado “VMM – Valhalla Metal Magazine”, o curta reune entrevistas com pessoas que fizeram parte da equipe da revista, como o fundador e editor Eliton Tomasi, o fotógrafo Flávio Hopp, o colunista Amyr Cantusio Jr, além de personalidades do rock nacional, como o já citado Rafael Bittencourt, o proprietário da Die Hard Records, Fausto Mucin, entre outros.

Fundada em Julho de 1996 ainda no formato fanzine, a Valhalla teve um total de 42 edições publicadas ao longo de 11 anos de atividades. Nesse período, chegou a fazer parte do rol de publicações da editora HMP, e nos dois últimos anos de atividades, passou a ser lançada no Brasil como a versão nacional da revista alemã Rock Hard, sendo então chamada Rock Hard-Valhalla.

Para o diretor Lucas Gervilla, que também chegou a ser colaborador da Valhalla, trabalhar neste documentário foi um desafio.
“O formato cinema documentário é sempre um desafio, pois cada filme apresenta suas particularidades. No caso do VMM o desafio foi contar em 15 minutos uma história de mais de uma década e que envolveu um número enorme de pessoas.Esperamos que isso traga boas lembranças aos antigos leitores e instigue as pessoas que não chegaram a conhecer a Valhalla a procurarem por uma crítica especializada e sem papas na língua”.

Com produção executiva de Vinicius Vieira Tomasi, o projeto foi beneficiado com recursos da “LINC” – Lei de Incentivo a Cultura – da cidade de Sorocaba, onde a revista foi fundada e sempre manteve sua redação.

Informações para Imprensa:
SOM DO DARMA – Management, Booking, Press & Promotion
contato@somdodarma.com.br
somdodarma.com.br
(15) 3211-1621

Música Operária

Fundada em 1881, a Corporação Musical Operária da Lapa é o grupo musical mais antigo ainda em atividade na cidade de São Paulo. O grupo leva esse nome pois durante toda a sua trajetória a maioria dos integrantes eram trabalhadores operários.

Founded in 1881, the Corporação Musical Operária da Lapa is the oldest music group still active in São Paulo. The group has this name because during its career most of the members came from the working class.

Direção, Roteiro e Montagem (Director, Script and Montage): Lucas Gervilla
Produção (Producer): Marta Schneider
Finalização (Post-production): Patricio Salgado

São Paulo, 2014.